Solicitar demo

Blog

Voltar

466 anos de São Paulo: o aniversário de uma cidade de números

466 anos de São Paulo: o aniversário de uma cidade de números

Metrópole com influência nacional e internacional. Referência do ponto de vista cultural, econômico ou político. Uma das cidades mais populosas do mundo. Centro financeiro e maior cidade do Brasil.

As definições e características utilizadas para descrever a capital paulista são infindáveis e as mais heterogêneas possíveis. No entanto, uma coisa é certa: São Paulo é uma cidade de números. E ela completa 466 anos no dia 25 de janeiro, marcando o primeiro feriado municipal do ano.

Com 12,18 milhões de habitantes, a maior metrópole da América do Sul se destaca por fatores que vão além da sua população - oitava maior do mundo - e extensão territorial - com 1.521 km².

Seja Terra da Garoa. Seja Selva de Pedra. Não há quem discorde que São Paulo é o lugar das oportunidades. É onde empresas renomadas tomam decisões estratégicas, investem e desenvolvem negócios inovadores e promissores.

Como forma de homenagear o aniversário da capital paulista, separamos alguns fatos curiosos que vão fazer você olhá-la sob outra perspectiva.

1) O 10º maior PIB do mundo

O 10º maior PIB do mundo

Você sabia que São Paulo concentra cerca de 63% das multinacionais estabelecidas no Brasil? Esse fato contribui para que a cidade possua o 10° maior Produto Interno Bruto (PIB) do mundo, atrás de metrópoles como Tóquio, Nova York e Londres. É onde fica a sede da Bolsa de Valores brasileira (B3).

De acordo com estudo feito na plataforma de Big Data da Neoway, atualmente a capital paulista conta com 1.810.614 empresas ativas, que empregam diretamente 4.937.930 funcionários. A soma do faturamento anual das matrizes dessas empresas chega perto de R$ 2.7 trilhões.

Ao analisar os dados de Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE), o levantamento identifica também, que o líder do ranking é o Comércio Varejista de Artigos do Vestuário e Acessórios (75.806 empresas). Em segundo lugar estão as empresas enquadradas como “Cabeleireiros, Manicure e Pedicure” (68.446)

São Paulo não para de crescer e gerar empregos. Apenas no último ano foram abertas 288.410 empresas, com destaque para o setor de Varejo (52.048), Transporte (35.098) e Serviços Administrativos (34.161). Esse número representa um crescimento de cerca de 20% em relação à quantidade de empresas abertas em 2018.

2) A Avenida Paulista já teve outro nome

A Avenida Paulista já teve outro nome

Considerada por muitos como o “coração de São Paulo”, a Avenida Paulista corta 6 bairros diferentes e, com quase 3 quilômetros de extensão, chega a ser maior do que a Champs-Élysées (principal avenida de Paris).

Atualmente, a Paulista abriga 15.868 empresas ativas e, cerca de 77.284 funcionários (dados Neoway). Se somarmos o faturamento anual de todas as matrizes dessas empresas, chegamos a um valor de cerca de R$ 95,5 bilhões. Ao analisar o setor de atuação predominante, o maior destaque é o de Fundos de Investimento, seguido de Escritórios de Advocacia e, em terceiro lugar, atividades de Consultoria em Gestão.

Apesar de ser considerada um endereço empresarial e cultural - sede de grandes bancos, consultorias e repleta de cinemas, livrarias e teatros -, ela é também local de moradia para muitos. De acordo com a Secretaria Municipal de Habitação, aproximadamente 12 mil pessoas vivem em edifícios residenciais nesse endereço, que é um dos mais disputados de São Paulo.

O que muitos não sabem, é que em 1927, após a morte do então governador do estado de São Paulo, Carlos Campos, a avenida foi renomeada em homenagem a ele. A mudança não agradou aos paulistanos e a pressão da sociedade fez com que, no início da década de 30, o local recebesse novamente seu nome original: Avenida Paulista

Por muito tempo, a Paulista foi considerada o centro financeiro da cidade e uma das regiões com maior potencial econômico. No entanto, o cenário mudou nos últimos anos e passou-se a questionar se a Avenida Brigadeiro Faria Lima já não seria o principal alvo dos empresários e investidores.

Se considerarmos os números atuais da Faria Lima, são 11.551 empresas ativas e 48.656 funcionários - ambos inferiores aos números da Paulista. No entanto, quando falamos da soma do faturamento anual dos negócios, a Faria Lima está na liderança, totalizando R$ 97,2 bilhões. . Aqui, o destaque fica também com os Fundos de Investimento, em seguida são as Holdings de instituições não financeiras e, em terceiro lugar, Incorporação de empreendimentos.

Ao analisarmos as duas regiões por meio da plataforma de Analytics da Neoway, constata-se que, no último ano, foram abertas 2.464 empresas na Paulista, enquanto na Faria Lima o número foi de 1.433. Apesar de todo o crescimento e desenvolvimento dessa última, os números mostram que a Paulista ainda não perdeu seu potencial de negócios.

3) Barra Funda: o berço da industrialização da cidade

Barra Funda: o berço da industrialização da cidade

Memorial da América Latina. Theatro São Pedro. Espaço das Américas. Bares alternativos. Galerias de arte. Armazéns. Trilhos de trem.

Os trilhos remetem à história de como o bairro da Barra Funda se originou. Até o fim do século XVIII, a zona oeste de São Paulo era composta por diversas chácaras. Ao mesmo tempo, era considerada uma região estratégica sob a ótica ferroviária, por ser o ponto de encontro da Estrada de Ferro Sorocabana e da São Paulo Railway.

Justamente por esse motivo, entre os séculos XIX e XX, o bairro começou a despertar o interesse de indústrias e moradores. Entre as primeiras empresas que se instalaram na região, estavam algumas produtoras de cereais e fabricantes de óleo de algodão.

Esse processo de industrialização absorveu trabalhadores imigrantes e brasileiros e fez com que, até meados do século XX, a Barra Funda fosse conhecida por sua vocação industrial. Paralelamente, era conhecida como uma das regiões menos densas de São Paulo. Hoje, o cenário já é outro.

O bairro perdeu o vínculo com as grandes indústrias e, agora, é mais residencial, e alvo do mercado imobiliário. Nas últimas décadas, grandes condomínios residenciais, restaurantes, casas noturnas, teatros e escritórios se instalaram na região.

Atualmente, a região da Barra Funda conta com 8.986 empresas ativas e com aproximadamente 44.500 funcionários. O ramo de atividade mais presente são os serviços advocatícios, seguidos de serviços combinados de escritório e apoio administrativo. No último ano, foram abertas 1.426 empresas no bairro, com destaque para serviços administrativos, profissionais e técnicos. Empresas de varejo vem logo em seguida.

4) De 500 mil a um milhão de pizzas por dia

De 500 mil a um milhão de pizzas por dia

São Paulo é o destino perfeito para os amantes da boa gastronomia. A gama de variedades pode ser notada pela quantidade de bares e restaurantes que abrem diariamente na cidade. Do sushi às tapas espanholas, a Terra da Garoa permite que moradores e turistas desfrutem um pouquinho da culinária de cada canto do mundo.

Mas, se tem um prato que os paulistas gostam, com certeza a pizza está no topo do ranking. São Paulo é a segunda cidade que mais come pizza no mundo, ficando atrás apenas de Nova York. O Brasil produz cerca de 1 milhão de pizzas por dia, e SP consome, em média, mais da metade delas (cerca de 600 mil).

De acordo com dados da plataforma Neoway, a capital paulista tem 5.067 estabelecimentos classificados com o tipo de cozinha “Pizza”. Juntos, eles representam um faturamento anual de cerca de R$ 2,2 bilhões. Curiosidade: 4 desses restaurantes de pizza já contém mais de 100 funcionários (regime CLT). No último ano, 122 estabelecimentos que vendem pizza foram abertos na cidade para ajudar a saciar o desejo dos paulistas!

5) Praça da República como palco de touradas

Praça da República como palco de touradas

Teatros. Cinemas. Parques. Bares. Restaurantes. Comércio. Atualmente, opções de passeio em São Paulo não faltam, tanto para turistas quanto visitantes. No entanto, nos séculos anteriores, os habitantes da capital paulista não tinham tanta escolha assim.

Antes de ser uma cidade consideravelmente civilizada, a capital paulista já sediou uma arena de touradas. O local, que na época era chamado de Largo dos Curros (onde ficavam os animais antes dos espetáculos), é onde hoje está localizada a famosa Praça da República.

A primeira tourada aconteceu em 1832, em homenagem à inauguração de um hospital que ficava na região. Entre os anos de 1900 e 1902, o local foi reestruturado e as arquibancadas foram refeitas em madeira. As touradas eram bastante populares na rotina dos moradores da São Paulo Antiga, mas foram proibidas, pela primeira vez, em 1906, por meio de um projeto de um dos vereadores da época.

Hoje, a Praça da República é um dos pontos mais tradicionais de São Paulo. Localizada no centro da cidade, está próxima de avenidas importantes como a Ipiranga e a São João. Aproximadamente 15.000 empresas estão situadas em um raio de 500 metros da Praça, o que faz com que mais de 91 mil funcionários circulem diariamente pela região.

Segundo informações levantadas da Plataforma Neoway, os estabelecimentos dessa área são, em sua maioria, Comércios Varejistas de Vestuário, Lanchonetes, Casas de Chá e Sucos, Escritórios de Advocacia, Cabeleireiros, Manicures e Pedicures. Só no último ano, cerca de 1.500 empresas se instalaram nesse mesmo raio de 500m da Praça, sobretudo do ramo do Varejo (367).

* Os dados da Neoway utilizados ao longo do texto foram levantados em estudo feito no dia 10/01/2020

Quer saber como fazemos na prática?

Solicitar demo